quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Puti... nha nhaaaau!

Sabe aquela brincadeira do "puti... nhanhaaaau!" ??? Não? Claro que sabe, talvez não se lembre, mas é assim: você é um bebê, e vem a sua vó, tia, tia-avó, avó-tia ... de 2º, ou 3º grau, (enfim... você é um bebê, atrai qualquer pessoa desse tipo), e diz "PUTI" e tampa a cara, ou se esconde... você, sendo um bebê, se pergunta "caramba... cadê o rosto dela? Sumiu! Caralho!" ou "...", e de repente ela me aparece do nada soltando um imenso "NHANHAAAAAAAAAU!", obviamente, você, sendo um bebê, cai na risada! O que faz com que aquele tipo de pessoa repita várias e várias vezes até não surtir mais efeito algum. E é mais ou menos assim que acontece com o viciado em televisão, e o não viciado em televisão, sem as partes das risadas, claro.
Sabe-se lá que horas de um dia qualquer, chegou ao hostel um cliente assim, e um outro assado. Ele ligava a tv, assistia um bocado e ia embora. O outro lia um livro, também na sala, onde tem um grande puff laranja com almofadas que te acomodam de um jeito especial para tratar do assunto de leitura de livros. De início sempre ficava a pergunta no ar "O Assim vai voltar, certeza que ele foi só ali no banheiro, e já volta... óbvio... ele deixou a tv ligada, ele vai voltar!", e o Assim não voltava e o Assado ficava, digamos assim... assado!
Era mesmo uma coisa compulsória. Ligar, ver um pouco e seguir a vida... "deixe lá ligada para os outros vêem, como alguém pode estar em casa sem a tv estar ligada?" (provavelmente é o que se pensava Assim), já o Assado "puta que pariu caralho! Não vai ver então desliga essa porra cacete!", levantava-se e enfiava bruscamente o dedo no Turn OFF da arma de guerra. E eles viviam assim, ligando, saindo, levantando, desligando, voltando, ligando, etc etc... um com raiva, e o outro, nem pensando estava, ligava porque era o normal de se fazer.
Um dia após o outro durante 6 dias, até que em um dia de chuva Assado ficou molhado e seu livro bebeu litros de água de uma poça que jazia por ali onde também entrou o seu pé. Chegou irritado, e ligou a TV, atrapalhando a leitura de Assim, que tinha exclamado minutos antes "ai ai, chuvinha, nada melhor que ler um livro...", e foi aí que a energia acabou, e eles bateram um bom papo de livros adaptados ao cinema.
Deixo ainda a chance de você voltar e ler as primeiras linhas do texto, mas não deixo chance nenhuma de você me perguntar o que é que uma coisa tem haver com outra. Só os burros não entendem.

... Sabia que você ia entender!

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Aqui as folhas caem...

O outono já bateu a porta, cuspiu no chão, coçou o saco e disse que quem manda nessa porra aqui é ele. Aqui as folhas caem, e dão o ar da graça de se amarelar o chão. E o céu, fica mais laranja no por do Sol... ou pode ser pura impressão minha, mas pra mim, essa estação tem aquela cor do fogo em uma lareira iluminando o interior de uma casa. E digo isso sem nunca ter tido ou visto uma lareira acesa!
A noite já deixa lá suas pancadinhas de 12 graus, e os mais velhos fazem suas previsões para o inverno deste ano. De toda forma, já tirei o casaco da gaveta (na verdade, ele nunca lá esteve, porque a Naiara sente frio a todo instante e meu casaco sempre está lá a acompanhar [acreditem se quiser, mas até para o Marrocos ela o carregou...], preparem os secadores de cabelo, as traseiras de geladeiras, e os aquecedores, porque não teremos outra forma de secar nossas roupas. O outono ... corrija-me se estiver errado, mas o nome dessa estação surgiu com alguém constipado tentando avisar outra pessoa que ele mesmo não estava?(seja lá onde for), e se você não entendeu a piadinha, tudo bem... ela é péssima. Mas o que eu quero dizer com ela é: gripe! E que ela esteja longe... mas nas ruas já ví uma ou outra pessoa tossindo e dizendo "ai ai" no modo português de se dizer. Ainda assim os jovens (ai, meus tempos...) continuam esticando as suas pernas após a meia noite e recolhendo-as ao descanso às 6 da manha... afinal de contas, estamos em uma cidade universitária! E esta semana começa a Festa das Latas, onde os "caloiros" vão desfilar igual carros de recém casados... "é a tradição!"... e para aqueles que são contra os trotes, aí vai um aviso: Não estude em Coimbra! Até hoje encontramos nas ruas filas de "bixos" andando a lá elefantinho, e tendo os seus talheres roubados nos refeitórios... tá bem, eles deixam as facas!
E eu volto assim... todo serelepe... cheio de pontos de exclamações, pontos, aspas e ... reticências... confortável em uma poltrona, com um jazz solto no ar e um teclado brasileiríssimo! (só um extra que eu repito de forma pública: e então marcão? é fácil usar computadores alheios de países não-brasil?)
E agora fiquem aí, com um pensamento no Porto, às margens do rio Douro:




Beijos e abraços!
Lucas