quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

29/01 - 22:50

Estou começando acertar minha rotina. Hoje acordei por volta das 9hs, tomei o meu cafè da manha, arrumei minhas coisas e fui sair em busca de comida barata romana. Fui entao no Phone Center e perguntei ao dono de là, um indiano, onde eu encontraria comida barata. E ele, claro, me indicou a Indian Fastfood, me falou o endereço, mas assim que eu sai do local eu esqueci onde era.
Fui entao conhecer o Coliseu. Nao tem um so lugar aqui em Roma que nao te da uma sensaçao de idade mèdia, e visitar o Coliseu e suas redondezas realmente te faz voltar no tempo. Acho que è um dos lugares mais bonitos que eu jà vi. Nao è so o monumento. Eh toda a paisagem em volta misturada com a estaçao.
Depois disso fui no rumo da estaçao Tèrmini procurar o tal Indian fastfood e a cada indiano que eu via eu perguntava. Mas cada um me indicava uma direçao diferente. Comi um macarrao mesmo por 5€.
A India vai dominar Roma. Nao ha um Phone Center se quer que nao seja de um indiano. Eles dominam os meios de comunicaçao, possuem muitos "mini restaurantes" que ficam parados na rua e compoe uns 70% dos vendedores de lembrancinhas e bugigangas (aquelas bugigangas com força, do tipo: pedrinhas que voce joga pra cima elas batem e fazem um barulhinho engraçado, discos que se arremessa e brilha no escuro, ou arminhas que soltam bolhas de sabao) o restante è dos "bangladeshianos". Sò que no Vaticano quem domina sao os africanos vendendo bolsas.
Depois de comer fui para a escola. Fiquei là estudando. Como nao tenho relogio, fico de olho no relogio interno da minha maquina fotografica, jogo 3 horas pra frente e descubro a hora daqui. Passado algum tempo eu percebi que o movimento ao meu redor tinha diminuido. Olhei no relogio e vi que faltava ainda 1 hora para começar minha aula. Fiquei là no terraço esperando, quando 50 minutos depois lembrei que o relògio da minha maquina fotografica nao estava no horario de verao. Resultado: e novamente o brasileiro chega atrasado.
No intervalo da aula fiquei conversando com um cara que è de Jerusalèm e uma mulher scandinava. Falàavamos sobre o quao frio è o inverno em varios locais do mundo. Ela entao me perguntou sobre o inverno brasileiro, e eu falei que na minha regiao o inverna poderia chegar ate uns 15°C. Isso pra ela foi uma piada. Soltou uma gargalhada e exclamou: "Pra mim isso è verao!"
Apos a aula comi uma pizza e voltei no Phone Center. Estou tentando ficar amigo daquele indiano, isso vai me render alguns descontos. Usei a internet, telefonei para Naiara, e na hora de pagar agradeci a indicaçao da comida, exclamei umas 3 vezes sobre o quao boa era e que pretendo voltar là amanha. Ele ficou feliz em saber. Minha conta deu 2,50€ e ele fez foi 2€. 0,50€ jà ajuda muito!
Andei mais um pouco e voltei para casa.

===================================================================

Jestevao, o macarrao daqui è a mesma coisa. Alias, ainda prefiro o macarrao da minha mae. Aqui nada mais è que pasta al sugo. A pizza tambem nao è nada uma Brunella... pizza aqui voce compra o pedaço, paga, e sai comendo na maozona mesmo. Mas ainda sim nao deixa de ser pizza e macarrao. E ate agora soh vi isso por aqui. E do jeito que eu gosto desses dois pratos, pra mim è o paraiso.

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

28\01 - 23:01

Fui dormir cedo ontem, o que me fez acordar hoje as 5:30 da manha, quando o Sol estava nascendo. Enrolei um pouco na cama e pensei "Que horas serà o cafe da manha?" Ontem eu nao jantei. Fiquei esperando me chamarem para janta, mas a unica coisa que vi, foi uma italiana, que tambem mora aqui, ir na cozinha, cozinhar sua comida, comer, lavar e voltar para seu quarto.
Estava torcendo por um delicioso cafe da manha, mas quando deu 8hs nao aguentei mais. Fui no supermercado, comprei uns pacotes de biscoitos e yogurte, fui enfrente o Pantheon, sentei no pequeno facho de Sol para espantar um pouco o frio e comi.
Voltei para casa e percebi que havi um bilhete da sra. Susanna para seu filho Andrea avisando que ela tinha ido para Fiumicino, mas deixou dinheiro para ele tomar cafe e almoçar.
Entao eu percebi. Aqui è cada um por si. Nada de "tà na mesa pessoal!" Se quiser comer vai là e cozinha.
Na casa mora eu, Andrea, Susana, um cara que imagino ser o marido da Susanna, uma italiana (sim amor, com bigodes) e um cara de Bangladesh, que de acordo com Andrea, è doido.
Fiquei em meu quarto lendo o dicionario. Descobri que no final dele tem explicaçoes sobre a gramatica italiana, e qualquer informaçao para mim ja è de grande valia.
Sem que eu percebesse (???) o tempo passou. Andrea bateu na porta do meu quarto e me chamou para acompanha-lo num cafè. Fui. Conversamos e eu conheci um brasileiro, carioca, que trabalha na cafeteria. Quando vi, jà era 14hs e minha aula começava as 14:30, e a escola fica a 4km da minha casa.
Entao eu corri, e por 1 rua eu quase faço todo o trajeto sem errar. Mesmo assim nào deu tempo, e o brasileiro chegou atrasado.
Na escola fui logo me explicando e pedindo desculpas pelo atraso, mas a mulher me falou "Calma, relaxa, senta ai, nao tem problema" me fez algumas perguntas em itliano e me colocou enfrente um homem para eu conversar com ele. Fui logo falando que eu preferia começar em uma turam de nivel basico e foi isso que ele fez.
Entrei na sala e todos ja estavam um pouco entrosados. Aquela turma ja havia começado as aulas 1 semana atras e de novato so tinha eu e mais 2.
Sentei do lado da porta e do Jim. Um koreano que è sacerdote e tem 28 anos.
O restante da sala è composto por pessoas nada latinas, que sempre falam com aquele R travado no meio da boca. Acabei sendo o que melhor compreendia o professor, o que nao quer dizer absolutamente NADA.
No intervalo da aula fui ate a lanchonete e conheci uns 4 brasileiros, e 1 angolana. Foi ate um pouco estranho falar portugues olhando para a pessoa. Perguntei sobre a hospedagem de cada um, e todos eles estavam pagando o dobro e mais que o dobro do que eu na estadia e sem comida.
Ao final da aula voltei para casa andando calmamente na noite movimentada de Roma. Tomei um banho e sai para comer. Estava morrendo de fome.
Nota: de ontem para hoje eu nao tomei banho. Compreendi facilmente o porque dos europeus nao tomarem banho todos os dias. Molto, molto fredo!
Andei um pouco aqui perto e achei um macarrao por 6 euros e eu ainda podia escolher uma bebida: coca, cerveja, vinho. Adivinha qual escolhi? (Nào, nao escolhi Coca... Milhouse maldito). Bom, um vinha me esquentou. Liguei para casa e voltei para a Via. di S. Ciara.
Fui

Lucas

27\01 - a noite

Hoje eu andei. Andei tanto que agora jà sao 7 e meia e eu estava pensando em ir dormir.
Sai do hotel por volta das 10 e 10 da manha com todo aquele peso nas costas. Pelo mapa tracei um trajeto que eu passaria por alguns lugares turisticos sem desviar muito o caminho ate a casa que ia ficar, so que nao foi bem isso que aconteceu.
Passei pela Piazza della Republica, segui a Via Nazzionale ate o Palazzo delle Esposizioni e minha proxima parada era a Quirinalle, so que eu sai na Fontana di Trevi, muito bonita por sinal, que fica alguns metros a frente da onde eu realmente queria ir.
As ruas de Roma provam muito bem a idade da cidade. Cheias de entradas e ruelas nada retilineas. E por menor que seja o espaço, sempre entra um carro ali. Os prèdios tem em torno de 3 e 4 andares, e sao todos encostados um no outro. Devido a isso, a maioria das ruas nao chegam a ver a luz do Sol, o que favorece fazer um frio do caralho. Nunca senti tanto frio. Nem nos invernos mais avassaladores de Uberlandia, ou quando eu ia para a escola sem blusa de frio nessa mesma estaçao. Em um determinado momento minhas maos começaram a adormecer e eu tive que esfrega-las ate esquentar, so ai voltaram ao normal.
Como eu estava na Fontana di Trevi, tracei um novo caminho, e o novo ponto turistico passou a ser o Tempio Adriano, mas sai no Palacio Ohigi, mais acima da onde pretendia ir. Eu olhava no mapa e nao compreendia. Eu tinha seguido a rua indicada.
Dali tentei ir para o Tempio Adriano. E entre uma passada e outra consegui desviar o caminho de uma forma fenomenal. Fui parar a pouco metros do Coliseu, no Monumento a Vittorio Emanuelle II, que fica mais ou menos a 1 quilometro da onde eu queria ir. UM QUILOMETRO carregando 18 kg... putz!
O monumento è muito bonito, e alto! Subi o màximo que se permitia subir de graça. Là de cima avistei o topo da Basilica San Pietro, que fica no rumo do meu destino e tambem o topo do Pantheon que fica a "1 quarteirao" do meu destino final.
Fui naquela direçao, de forma muito cautelosa. A cada rua que cruzava com a qual eu estava, eu parava e olhava no mapa. Me perdi so uma vez, entao voltei uma rua e corrigi o caminho.
Cheguei no apartamento. A sra. Susana me mostrou a casa e meu quarto, me deu uma chave e falou que eu podia entrar e sair a hora que eu quisesse. Ela me aguardava as 10hs, mas cheguei somente as 13hs. Por isso tive que ir almoçar fora. Ali perto tinha um macarrao por 8 euros. Me pareceu barato, mas tambem nao veio quase nada.
Depois disso fui andar um pouco. Pantheon, Prazza Navona, Castel Sant'Angelo (lugar cujo fui obrigado a ir devido as pegadinhas do meu mapa) e por fim Basilica San Pietro - Vaticano.
Depois disso voltei para casa e conheci o Andrea, filho da Sra. Susanna, que tem 21 anos, estuda linguas e trabalha no quartel. Perguntei a ele onde tinha um Phone Center e ele me levou là. Liguei para casa e para Naiara. Aqui era 17:40hs e jà estava muito escuro. Voltei para o apartamento nas pegadinhas do trajeto e cà estou. Afim de dormir. Fui.

Raios!

Uberlândia, cidade maravilhosa, 2008, terça feira ainda.

É.Eu não tenho nada de legal pra dizer não.Tô postando só para marcar presença.

Meu computador também não voltou a funcionar.E descobri que tem que ter 50 reais no celular pra ativar o Home Internacional.Que coisa chata.Pelo menos meu mastercard chegou.

Vida bandida.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

27\01 - 9:37

Ontem realmente nao foi um dia comum. Depois de chegar em Roma fiquei um pouco apreensivo por ter que passar pela imigraçao denovo, mas nao precisou, entao peguei minha mala e sai. No saguao do aeroporto fiquei procurando algum lugar para embarcar em um trem que vai para Roma. (O aeroporto è numa cidade proxima). Vendo minha cara de perdido, um italiano chegou em mim e falou "Parla!"... Falar o que? Entao perguntei onde pegava o trem e ele me indicou a estaçao que fica dentro do aeroporto.
Ao chegar là, vi um trem e do meu lado direito um cara sentado no banquinho. Ele me olhou e falou "Bigleto per Tèrmini?" eu disse "Si, quante costi?" E ele respondeu 11 euros. Paguei e ele me deu um papel parecido com um recibo. Fiquei parado pensando onde eu ia enfiar isso. Nao tinha nenhuma catraca, nem ninguem recolhendo passagem. Entao fui andando e perguntei para um casal "afegaindiano" que estavam embarcando: "questo Tèrmini?" e eles falaram que sim. Fui na onda e me ferrei.
Uns 40 minutos depois arrisquei minha primeira frase em italiano que eu mesmo pensei, com um mulher que sentou perto de mim "Questo treni andare alla Stazzioni Tèrmini?" Na hora ela percebeu que eu nao era italiano e começou a falar ingles comigo. Disse que nao era o trem, que eu teria que sair, pegar um metro, e me explicou onde era. Desci do trem e me perdi denovo.
"Dovè la stazzioni tèrmini?" Perguntei eu para um cara que passava. Ele tambèm percebeu que eu nao era italiano e falou ingles comigo. Falou que tambem estava indo para la, entao eu o acompanhei e fomos conversando. Ele è Filipino, està aqui a trabalho a quase 1 ano e quase nao fala italiano. Ao chegar no metro ele falou para eu comprar uma passagem e me apontou umas maquinas. Cheguei em frente as maquinas e tentei entender como diabos aquilo funcionava. Olhei para o lado e observei um homem que comprava. O que eu fiz foi copià-lo e a passagem saiu. Na catraca enfiei o bigleto e ja ia deixando ele là. Foi quando o Filipino me avisou para eu sempre andar com o bigleto que comprei, porque apesar de nao ter ninguem cobrando, se um fiscal lhe pedir a passagem e voce nao tiver para apresentar, voce tem que pagar uma multa de 50 euros. Se quiser arriscar pode usar o transporte de graça. Ele me explicou um pouco sobre os transportes de Roma, e ao chegar na estaçao Termini, me despedi dele.
Durante todo o trajeto nao deu para observar muito a paisagem. Mas claramente percebe-se o ar europeu, tanto na temperatura, quanto nas construçoes. Vi ate as ruinas de um castelo medieval e fui o unico que ficou encantado de todos que passavam por ali.
Na estaçao tentei telefonar para casa e para a Naiara, mas nao consegui. O cartao internacional que eu tinha comprado no Brasil nao estava funcionando, comprei entao outro cartao, que varias tentativas depois percebi que funcionava soh ligaçoes para os EUA.
Desisti de ligar e fui procurar meu hostel. Jà estava começando anoitecer. Eu estava cansado de carregar 18kg nas costas e estava sem comer desde o parco cafè da manha no aviao que chegou em Madri.
Depois de varios "Dovè via villa franca?", finalmente 2 motoristas de onibus souberam me informar. Comprei bigleto e subi no onibus. So ai realmente pude observar as ruas romanas.
Cheguei no hostel, deixei as coisas e fui usar a internet para falar com meus pais e com a Naiara. (Desculpa a todos aqueles que vieram conversar comigo e eu nao dei atençao). Pensei que eles pooderiam estar preocupados por jà estar anoite e eu ainda nao tinha telefonado. Foi quando conversei com eles que me caiu a ficha de que là ainda era de tarde, e aqui as 18hs jà è escuro.
Depois disso fui em um bar ao lado comer. Pedi um sanduiche de funghi (champignon) e um cafè. E o atendente recusou-se a me dar o caffè. "no, manja! Dopo caffè". Tentei falar para ele que eu queria beber o cafè enquanto comia e no meio das minhas palavras soltas e mimicas ele enfatizou " No no no. Manjas primo. Dopo il caffè, an?" virou as costas e saiu soltando um "mama mia".
No bar nao tinha nenhum lugar para sentar. E de repente o garçon vem com um banco, sobe nele, pega alguma coisa na prateleira de cima e sai. Pego meu sanduiche, sento no banco e ocntinuo a comer. Quando o garçon volta (aquele mesmo que recusou a me dar o cafè) "Scuzi". Levantei, ele pegou o banco e guardou. Maldito. Desisti do cafè, paguei e fui embora. Comprei uma garrafa de agua no supermercado e fui para o hotel. Nisso a Naiara me ligou e conversando ela me lembrou de algo que ja tinha me avisado antes. Na Italia, se quiser comer sentado, tem que pagar mais caro.
Bom, nao vejo mal nenhum em se comer de pè.
Tomei um banho e dormi. Vou agora para casa da familia que vou ficar. Peguei um mapa aqui no hotel.

26\01 , nao sei que horas

Estou sobrevoando o litoral Espanhol. Sera que a cidade de Tarifa è uma dessas que estou vendo?
Bom, a minha chegada na Espanha foi um pouco tensa. A imigraçao estava fudida. E para complicar, nao tenho visto para o tempo determinado que pretendo ficar e minha passagem de retorno ja està marcada.
Em Sao Paulo, na sala de embarque, conheci o Franscisco que estava indo para Frankfurd.
Francisco - Porto Alegre, 16 anos, forte sotaque sulista e estava indo visitar o pai.... sim... estAVA. (explico mais tarde)
(Caralho, que fome)
Entramos entào num onibus para embarcar para o aviao. E conversando com o Francisco eu citei a minha cidade. Eis que um outro cara ao lado, com mais ou menos minha idade, falou: "Caaaara, voce è de Udi? Bem que eu reparei o 2 "bao di mais uai", minha familia toda è de la e bla bla bla"
Seu nome è Marco, foi para Londres fazer um curso de Ingles, e depois Barcelona fazer um curso de espanhol. Depois disso seus amigos iam para la e eles iriam mochilar. Coincidencia nè?
Enfim, embarcamos no aviào e passei o voo todo conversando com a Maria Tereza (a mulher que sentou do meu lado) sobre o Jorge, o namorado portugues dela. Enquanto isso eu falava da Naiara. Ja sei tudo do Jorge e ela sabe tudo da Naiara.
A Maria Tereza conheceu um padre no voo dela para SP que mora em Roma, e vai no mesmo voo que eu. Ela me apresentou ele, e pensei "pronto! Deus me mandou minha hospedagem de graça". So que estou no aviao chegando em Roma e nao o vi mais.
Ao desembarcar no aeroporto de Madri encontrei o Francisco novamente e fomos para a imigraçao. E caramba viu... como estava bravo o cara da imigraçao. Entao foi ai que o Francisco IA para Frankfurd. Ele foi na minha frente, conversou o tempo com o cara, e o cara falou "no no no" e mandou-o espera-lo numa salinha do outro lado. Francisco depediu de mim arqueando a sombrancelha e andando com uma cara de assustado para a salinha. Na verdade talvez ele ate tenha conseguido seguir viagem, mas sabe-se là que horas.
O proximo era eu. Congelado de medo. Francisco estava com tudo certo e foi barrado. Eu estava com a passagem sem visto, com os documentos da escola na bagagem, e gaguejando de medo.
"Buenos dias" disse eu.
"..." respondeu ele, me tomando o passaporte da mao.
"Và a ficar quanto tiempo? Vive en la Espana?
"Ba...a...è... (levantei a mao e ia mostrar os 5 dedos, mas a mao exitou em mostrar 4) 5 meses. No, vivo en Brasil"
Ele olhou o passaporte com aquele jeito apressado e impaciente.
"Como va a ficar 5 meses? No tienes visto."
Gelei, agora que eu ia rodar...
"Vou para Roma, tirar minh...minha cidadania." E mostrei a passagem de conexao e de retorno.
"Ah, Roma? Hm... tiene dinero?
"Si"
"Quanto?"
"500 euros aqui comigo"
"Trouxe caderneta?"
"Si"
Entao ele carimbou o passaporte e falou algo como "Bà!" Nao sei se ele queria dizer "và" ou foi so uma expressao para "Ah, vai, entra ai, foda-se" ...
Entao respirei aliviado.
Fui embarcar novamente. Para isso precisei pegar atè um metro interno daquele aeroporto gigante. Cheguei no portao de embarque e liguei para dignissima!
Fui para o portao de embarque e percebi que meu relogio tinha parado de funcionar, acho que devido as maquinas de Raio X que teve que passar para ir ao portao de embarque.
Entrei no aviao e to nele aqui. La embaixo vejo uma ilha, uns 4 navios cargueiros e ao fundo uma cadeia de montanhas (hehehe, cadeia de montanhas) e no topo delas... NEVE. Ou cabeos brancos... nunca se sabe.
Em Madri estava 0°C, mas dentro do aeroporto estava um inferno de quente. Acho que o piloto ja avisou a temperatura de Roma, mas io no capisco niente.

sábado, 26 de janeiro de 2008

Another post love song

23:54 de sábado quase domingo, em Uberlândia, MInas Gerais, Brasil.

Ouvindo"here comes the sun" , musiquinha danada de bonitinha essa.Li em algum lugar que foi a única música que o George Harrison escreveu, e é considerada a música mais bonita dos Beatles.Pode ser que eu esteja enganada, mas tô com uma preguiça danada de conferir no Google.

A luz do meu quarto queimou.O computador tá dando pala, trava de pouco em pouco.Eu nem ia entrar aqui, mas como meu som TAMBÉM queimou, e o Dvd sumiu (sim, SUMIU), é o único lugar onde dá pra escutar música.Acho que a minha sorte só funciona junto com o Lucas.

Eu tenho uma teoria sobre a sorte.Ela funciona matematicamente.Algumas pessoas são +, outras são -, e outras neutras.Eu, com certeza, sou -.De maneira que o Lucas também deve ser -, pois - com - é igual a mais, que é igual a sorte.As pessoas menos só podem andar com pessoas menos, não podem andar com pessoas mais (porque aí continuam menos) e nem com pessoas neutras (pelo mesmo motivo).

Hoje liguei lá no Hotel que o Lucas está e ele me disse que quase foi parar fora de Roma, pegou o trem errado.Isso é que dá ir pra Itália sem falar italiano.E o pior é que o hotel que eu reservei tem carpetes, coisa que deixa o Lu com um nariz enorme e cheio de melecas.Tadinho.Eu sou idiota mesmo.

Isso de saudade, vou te contar viu.Faz um dia que ele foi e já tá difícil de aguentar.Tenho que pensar como o pessoal dos Alcóolatras Anônimos e viver um dia de cada vez, porque se eu for pensar na enorme semana que tenho pela frente vai ser pior ainda.

Na hora que fui falar com ele no msn o computador travou.Olha o computador colocando a sementinha da discórdia no nosso namoro.

Eu sei que ninguém quer leu um post meu, afinal eu tô aqui do lado ainda.Mas vão ter que me engolir!

Fim de semana fui na colação de grau de um amigo meu (namorado da renomadíssima Juliana Demori).Aliás, corrigindo, fui na colação de vários amigos meus, os quais vou sentir falta demais.Mas bem...o pessoal ficou contando piada de português o tempo inteiro, de maneira que vou ter bastante piadinhas quando chegar lá.

Ah!Uma coisa que eu quero fazer de qualquer jeito se eu for na Alemanha é, quando colocar os pés lá cantar "Pa pa pa para pa pa pa pa O morro do dendê é ruim de invadir/ (bla bla bla)/ Esses alemão são tudo safado".Deve ser muito divertido.

Bom, essa semana ainda tenho que comprar o seguro e mais umas coisitas.Eu acho que eu tô indo mais sem rumo que o Lucas, porque não tenho visto, não tenho onde ficar direito, não sei como vou chegar em Coimbra, nem como que eu vou me virar lá.Tudo bem que eu vou fazer uma faculdade, mas mesmo assim.ô trem que vai ser bão viu.

De qualquer jeito, eu não iria agora se não fosse pelo Lu.Não faz sentido ficar aqui sem ele.Eu não vou pra na Itália, mas pelo menos nós vamos poder nos ver uma vez por mês.

Que saudade viu narigudo.Me espera que eu tô chegando!

Na

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

A saudade é um prego

Bom, ele foi mesmo.Mas acho que ninguém tinha dúvidas em relação a isso.Bon voyage mon amour!
E como já faz falta viu.Serão 15 dias realmente longos.
Mas em relação às rotas, é bom programar antes mesmo, porque esgota dum dia pro outro.Se não der para eu comprar as de fevereiro semana que vem(porque a porra do meu Mastercard não chegou), vou comprar quando chegar em Porto.

Porto.Taí.Daqui 10 dias.Mas a minha ficha não caiu de jeito nenhum.Acho que cai só na hora do embarque mesmo.

Nosso sistema internacional de e-mail já foi ativado, mas por enquanto acho que só por mim.Segunda-feira que o Lu chega na escola de italiano (nem sei pra que, já que ele é fluentíssimo...em português) e deve poder usar a Internet.

Ele tá lá na grande São Paulo esperando o vôo para outros mares.

Nossa, viajar é bom demais.

Mas eu acho que assim que ele colocar os pés em Roma, deve por um vestidinho rosa.Não que seja para afastar as meninas, não que iiissoo.É só porque ouvi falar que é última moda lá.

Tomara que as italianas além de bigodudas e fedidas, tenham 130 quilos.

Italianas idiotas.

Adeus... e obrigado pelos peixes!

Acordei hoje pensando "uau... é amanha que eu embarco". Sempre tive esse sonho gigante de sair do país. Ir conhecer outras culturas, outras línguas... ir conhecer a vida na marra, me virar, andar por aí e etc. Estou indo e vou realizar tudo isso, só que agora com um itinerário e prazo programado para o retorno. Mas estou indo, e vai ser muito bom, mesmo até se tudo der errado!

Arrumei tudo que tinha que arrumar, recebi vários telefonemas desejando boa viagem, de Uberlândia, Goiânia e até da Bahia!
Pronto, agora eu vou!
Me despedi de primos, avós, e amigos... hmmmm esses irão fazer falta! Amigos são aquelas pessoas que estão sempre junto de você mesmo sendo suas piadas sem graça, e são eles que vão farrear e torna toda e qualquer viagem, festa, aula ou qualquer outra coisa, uma grande diversão. Diferente de qualquer cargo superior na hierarquia de uma família, eles não vão ficar te impondo limites e dando recomendações que na maioria das vezes você não quer escutar como "juízo". (Calma amore, ausência de juízo não tem nada haver com farrear com mulherada). Eles vão é pra se divertir com você e tornar momentos inesquecíveis. Ah, como farão falta.
É estranho a sensação de deixar sua vida rotineira por um instante. Quebrar um pouco do “contrato social” de estudar, formar, trabalhar, casar, ter filhos etc etc. Vai ser muito pouco tempo, eu sei, mas será um tempo que vai me agregar um jeito diferente de ver o mundo, que poderá influenciar (e vai) em muitos atos futuros.
Vou pra uma terra diferente da minha, não sei o que vou encontrar por lá, e não vejo a hora! On the road, pé na estrada!
Que venha os pápas, as máfias e os robertos bágios.

Eu e a Naiara estamos montando uma planilha para pegar vôos promocionais para conhecer vários lugares, e principalmente para nos encontrarmos, claro! Vôos que chegam a sair por 9 euros. Até agora, o melhor site para achar essas promoções é o http://www.skyscanner.net. Só que essas promoções esgotam rápidas, por isso estamos programando viagens até maio e junho.
Pagar barato e conhecer outros países é fácil, basta procurar, conversar e agir.
No final das contas, aquele ditado é certo:

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Preparação final

O dia está próximo. Já separei as roupas que vou levar. Preparei os documentos para dar entrada na cidadania (ou quase tudo preparado). Tudo arrumado. E para não ficar por completo perdido, pedi ajuda à Naiara para preparar algumas frases que vou usar assim que chegar lá:

* Não entendo nada! - Non capisco niente!

* Não falo bem o italiano. - Non parlo bene l'italiano.

* Fale um pouco mais devagar por favor. - Parle piu piano per favore.

* Pode repetir por favor? - Puoi ripetere per favore?

* Tenho uma belíssima namorada. - Io ho una belíssima ragazza. (A Naiara me obrigou a falar essa sempre que uma mulher chegar perto de mim.)

* Não obrigado, não como carne! - No, grazie, non mangio carne.

* Não, nem frango... - No, non mangio pollo anche.

* Pentacampeão! - Pentacampione!

Pronto, acho que não preciso de mais nada!

Lucas

Sobre o socialismo


Estava visitando alguns blogs por aí,e me deu vontade de deixar uma mensagem política engajada aqui sobre o socialismo.

Ela é:

Gente o socialismo, ele...bem...acabou.

Fim.

(Naiara ainda)


Teoria da Conspiração do Macaco amarelo

Uberlândia, 23 de janeiro de 2008.
Sim, é a Naiara de novo.
Mas é que eu esqueci de escrever que o Lucas inventou a teoria da conspiração mais legal do mundo.Acompanhe comigo:

1-A CPMF acabou, mas o governo(=PT) não queria que ela acabasse, as verbas vão para a saúde e blá blá blá

2-Pouco tempo depois, nós temos um surto de febre amarela.Adivinha se não vai ser preciso mais verba ainda para a saúde.



Eu se fosse o Senado instaurava a CPI do Macaco.

Meu namorado é um gênio mesmo.Mas não se animem garotas, é o MEU gênio.

(como é legal ser uma namorada psicótica)

Uberlândia, 22 de (esqueci o mês) de 2008.

Caramba,

É difícil escrever alguma coisa quando tudo que eu penso termina em "mas quando ela me vê ela mexe, piriiriririri guete".

ô porcaria de música grudenta.

Mas enfim, confirmada a minha dislexia, a qual venho ha semanas pesquisando.Vou dar alguns exemplos:

1-Tem um tio do Lucas com o nome de Marcones, ou algo parecido.Toda vez que eu abro o celular e vejo o nome do tio dele ,fico meia hora rindo, achando que é Maricotinha.Devo ter alzheimer também.

2-Meu pai tem um celular há um ano.Até hoje não sei o número.

3-Eu nunca soube que o Adous Huxley era cego.Você também não?Vai ver você também é disléxico-alzhemico.

4-Às vezes eu esqueço como se escreve alguma letra.Esses dias não lembrava de como era o g.Fiquei abismada na hora que escrevi sem pensar, como se ele tivesse brotado ou fosse uma coisa mágica.

5-Eu coloco a mesma senha pra tudo.Quer dizer, colocava, até o momento em que minha amiga Juliana resolveu me sacanear.Descobri que estou numa comunidade do Orkut intitulada "Sou gostosa e dou fácil".Muito obrigada Juliana.

6-Eu escrevo as palavras no computador na ordem errada."Aula" vira alua, comportado vira comptador e assim por diante.

Mas a prova maior é que eu sei que nada disso me torna disléxica, a não ser o item 6.E mesmo assim eu quero fazer um eletroencefalograma.

Se bem que aí não é dislexia, é hipocondria.

Mas que coisa.A gente nem pode ser saudável que alguém sempre inventa uma doença.

(essa frase é típica da síndrome de perseguição neurótico abstêmica de lupus wilter 2)

Mas para aqueles que não se preocupam com coisas tão importantes como essas, aí vai uma perfumaria:

Sexta-feira é o dia do Lucas san embarcar.Roma que o aguarde!


sábado, 19 de janeiro de 2008

Hoje vai ter uma festa

Ceveja e vodka muitas bebidas pra você...(leia no ritmo da música da Xuxa)

Vamos a la fiesta de despedida!

Daqui 6 dias mi hombre vai embora.Espero que as italianas além de bigodudas tenham cheiro de estrume.

E tenho dito.

Naiara

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Cidadania? Fale comigo!

Aproveitando então a deixa da digníssima em expor processos de viagens internacionais, vou falar um pouco também dessa minha experiência pré-embarque.
Se você pretende fazer turismo na Europa, é simples: compre uma passagem, arrume as malas e torça para não te barrarem na alfândega (para isso, leve comprovantes de que você tem vínculos no Brasil, como matrícula na faculdade, emprego, empresa, etc).
Agora, caso você queira ficar lá mais que 3 meses... aí o bixo pega.
Como a Naiara disse, é uma série de papéis que você tem que conseguir, e por favor... tente tirar o visto quando você estiver lá! Vá de turista e quando tiver vencendo o prazo de 3 meses, entre com o processo para estender o visto.
Caso você tente tirar aqui, a probabilidade de ser negado é maior. E sendo negado, nem os gloriosos 3 meses europeus você poderá viver.
A situação complica quando você decide tirar uma cidadania. No meu caso, italiana.
Você vai ligar em Brasília e em BH 35 vezes. Você vai gastar mais de 13 horas em filas. Depois vai descobrir que era a fila errada, ou vai ser mandado para outra fila. Você vai pagar 40 taxas de 1,70. 50 taxas de 4,80. 65 de 7,39. Quando você ver, lá se foi quase 1000 reais.
Até que eu gostaria de descrever todo o processo aqui, mas dá preguiça! Então, se quiser saber como é, entre em contato comigo. Te ajudarei ao máximo.

Agora... falta 1 semana para minha ida, e amanhã tem festa de despedida.
Beijos, fui!

Lucas

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

São Longuinho, São Longuinho

Uma e 19, ainda na porcaria do quarto.

POR QUE RAIOS OS ÓCULOS SOMEM SEMPRE QUE SE PRECISA DELES?

Óculos idiotas.Da próxima vez vou comprar lentes.

Naiara

Viajar é preciso

Meia noite e cinquenta, em Uberlândia, Reino da Alegria.

Eu tinha escrito um post.Mas ficou tão confuso e imbecil que apaguei.
De qualquer maneira, como o tema aqui é viajar é preciso, vou compartilhar a minha experiência de pré embarque.

Em primeiro lugar, antes de começar a fazer qualquer coisa, tenha colhões meu amigo.Colhões, em bom português é:põe o pipiu na mesa e seja macho o suficiente para não dar pra trás.Depois que você decidir atravessar o Atlântico, vá até o fim ou então vá beber leite, sua galinhazinha.

Em segundo lugar, saiba que haverão milhões de documentos a serem providenciados.Mas para isso contamos com a nossa Polícia Federal, modelo dentre a burocracia calorenta e mal educada do Brasil.Seu passaporte, certidão de bons antecedentes, tudo será providenciado rapidamente, sem problema nenhum.A não ser que você tenha cometido um crime por aí, mas nesse caso, o único lugar para onde vão te deixar ir é aquele apertadinho com vários colegas, muitos deles com um pedaço de pau na mão. De qualquer jeito é uma experiência, ainda que possa ser ligeiramente desagradável.

Em relação ao visto, não tenho a menor idéia.Em Portugal, nós os brasileiros, entramos sem visto, e podemos ficar lá xaropando por 3 meses.Olha só que legal!Português é um povo burro mesmo, se deixa entrar brasileiro tão facilmente.

O que eu sei é que para tirar o visto é preciso um mihão de documentos, e a legislação foi alterada recentemente, pra pior.

Passagem aérea.Não é tão cara pela TAP.A minha foi 1800 reais, divididos em suaves prestações.

Tem também o seguro.O meu ficou em 800 reais, mas ainda nem fui pagar.É importante fazer porque senão dá zica na hora de tirar o visto.E além disso, qualquer tragédia é passível de acontecer.Existem terroristas nesses países europeus exóticos.

Bom, acomodamento. Em relação a Portugal foi bem fácil arrumar, tem muita gente de Uberlândia lá.E também é um país barato.Um quarto, com limpeza, tv a cabo e Internet sai 240 euros.Considerando que o Euro tá r$ 2,70, é um preço pagável.Na Ítália, em Siena, um apartamento é 500 Euros.Só porque eles tem a porra do Coliseu...Veados.
A alimentação também não é cara, mas como eu vou comer na Universidade, é mais barata ainda.Quem vai sem ter onde estudar tem que segurar o cinto.

Em relação a Itália,o negócio é com o Lucas.O que eu sei, e adoro repetir, é que existem mulheres bigodudas lá, e eu espero que aos montes.

Faltam 8 dias para ele ir embora...ô tempo que não perdoa.

No fim das contas eu até tenho alguma coisa pra dizer.E é:Ich liebe dich mon Lu.

Naiara


terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Quem fica parado é post

Eu ia escrever alguma coisa aqui.Mas como o Lucas acaba de ligar e os posts dele sempre ficam mais legais que o meu, vou ali na Universidade encontrar com ele.
É claro que também é considerável o fato de eu ainda não ter nada pra dizer.

Naiara

Das viagens

Vou para a Itália daqui a 11 dias. 10, já passaram da meia-noite. E está ficando comum as pessoas me chamarem de louco e de corajoso (sabe-se lá se são sinônimas), ao mesmo tempo me perguntam se não estou com medo.
Você deve estar curioso para saber o porquê das pessoas me perguntarem se eu estou com medo, não é mesmo? Simples: Quando decidi fazer o curso de Italiano, decidi também fazê-lo em Janeiro. Não ia agüentar esperar chegar até Julho, Setembro, Dezembro ou qualquer outra data que sempre iria ser postergada caso eu não fosse AGORA! Mas só existem turmas de intermediário no mês de janeiro. As aulas de Italiano Básico começarão somente em Março. Eis que o agenciador, ao fazer meu cadastro para enviar à escola de Língua Italiana em Roma, me pergunta: "Você tá fazendo o intermediário de italiano né?", pausa, olhares para o lado, milhares de pensamentos e minha resposta mais facialmente sincera: "Sim, estou", ora bolas, sei falar Buon Diorno e lembro de ter assistido quase todos os capítulos de Terra Nostra. Como não poderia ter o intermediário de italiano? Não deve ser tão complicado assim.
Além do mais, quando eu for contar a história da minha viagem, quero que ela seja engraçada. Quem quer rir, tem que fazer rir, não é mesmo?
Viajar é colocar a mochila nas costas e escolher uma direção. Não é somente conhecer novas paisagens e pessoas. É sim, estar disposto a ter experiências novas e, muitas vezes, divertidas. Por isso admiro meu amigo Euclides que, em um dia de inspiração cultural decidiu ir para a Espanha, e 1 mês depois já estava lá, sem nenhuma enrolação ou frescuragem de documentação, ou até mesmo sem aquele comum pensamento de 'aaaahhh... até preparar tudo, vai dar um trabalho...'. E também meu amigo Amilton, que a qualquer momento que alguém disser "Vamos para (nome de uma cidade qualquer)?", ele responde "Agora? Então vamos!".
Certa vez li em um Pequeno Dicionário de Grandes Conceitos o seguinte:
"As viagens, por mares nunca antes navegados, fazem parte de um plano de ação milimetricamente calculado. Os planos de ação são manifestações de um pensamento lógico, e, por isso mesmo, diversas vezes contrariados pela realidade dos fatos."

Acho que aí está tudo.

Um grande abraço, e vários beijos a vocês.

Lucas

domingo, 13 de janeiro de 2008

O segundo post a gente desliga com caneta a laser.É sério, funciona mesmo.


22 e 40, de um domingo enluarado em Uberlândia, Minas Gerais, pátria amada Brasil.

(acho, porque a preguiça de levantar dessa cadeira e conferir é enorme.Não a cidade ou o país, mas a lua, claro)

Eu deveria estar estudando.Você deveria estar estudando.O mundo inteiro deveria estar estudando alguma coisa , nem que seja a maneira mais certeira de atingir a casa do pessoal do lado de lá da fronteira com a bomba, mas cá estamos nós a nos divertir ,ou pelo menos nos esforçando para tanto.

(Muito estranho escrever algo em primeira pessoa.Desde a sétima série nossas amadas professoras nos condicionaram a escrever em terceira pessoa, e devo admitir que é muito mais confortável.)

Bom, de qualquer maneira, eu não tenho nada de interessante para dizer.Espero que isso mude nos próximos meses. Estou até adquirindo certas características portuguesas.Semana passada fiquei entalada na porta giratória do banco.Fascinante não?

É...eu também não acho.

Vou estudar.

Mas ... Como o meu maridolucoisamaislindaenariguda do mundo explicou, vamos narrar aqui as nossas experiências ultramarinas, e a contagem regressiva para a partida já está em 12 para a Itália e 22 para Portugal.(En)Join the family!

Ah, e antes que eu me esqueça: não, eu não vou entrar em um curso para aprender a língua, não pretendo deixar crescer um bigode(falando nisso, na Itália existem pessoas que consideram mulheres com bigodes uma coisa charmosíssima.Existe até uma expressão pra isso: "baffona", que é uma bela mulher bigoduda.Tomara que todas as italianas sigam essa moda) e nem comer bacalhau todo dia(ainda que isso possa acontecer).

Um agradecimento a todos os amigos que fizeram esta última observação possível, com suas ótimas piadinhas.

Naiara


sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

O primeiro post é sempre sem luz.

Olá! Aqui quem escreve nesse início de sexta-feira (04h05), na cidade de Uberlândia, é o Lucas. Provavelmente deve estar muito frio lá fora. Por incrível que pareça não há muito barulho, só o uivar do vento. E eu estou começando a ficar com medo. Não... não do vento, e sim pelo fato de eu achar que devo ter alzheimer, é a 3ª vez que perco meu chinelo em menos de 5 minutos. E eu nem me lembro de ter tirado ele as últimas 2 vezes.
Mas enfim, o propósito desse meu post é outro. Vim aqui desejar a você o meu "Seja bem vindo"! É por aqui que você vai acompanhar os próximos 6 meses meu e do amordaminhavidagarotamaislindadomundo Naiara.
Ou seja, As Crônicas de Nailu não tem função nenhuma além de te passar vontade... ou de fazer você pensar "ainda bem que não estou lá!".
Embarco para a Itália dia 25 desse mesmo mês. E 10 dias depois, Nah desembarca em Lisboa - Portugal.
Olha só que divertido: em um único blog você irá acompanhar o que se passa em Portugal e na Itália. Não é divertido? Não? hm... mas eu acho.
Bom... não há mais o que ser dito. Talvez eu ainda volte a postar antes do meu embarque, mas vai ser para falar da corrida de São Silvestre.
Fiquem atentos às novidades (principalmente no mercado de capitais), e um grande baccio.